Barcelona: Las Ramblas

Não era assim que eu queria apresentar esse lugar para vocês, mas infelizmente, esse tipo de coisa não para de acontecer pelo mundo… Às vezes em lugares muito turísticos, às vezes não, mas sempre em lugares lotados – onde um atentado terrorista possa atingir o maior número de pessoas possível. É muito triste pensar que alguém planeja e realmente realiza o mal a tantos indivíduos. </3

Só desde o ano passado (2016) até hoje, já contabiliza-se um total de mais de 300 ocorrências desse tipo espalhadas pelo globo. Dentre os mais recentes e noticiados, temos:

  • Explosão no fim do show da Ariana Grande, em Manchester/UK, 22/03/2017, tendo matado ao menos 19 pessoas e deixado 50 feridas;
  • Um ataque terrorista deixou 5 mortos, incluindo o agressor, que atropelou várias pessoas deixando também vários feridos, bateu com o carro nas grades do Parlamento e esfaqueou um policial. Uma mulher que se jogou no Rio Tâmisa morreu alguns dias depois. Além disso, o episódio chegou a fechar o Parlamento britânico, também em 22/03/2017, no Reino Unido;
  • Pelo menos 12 pessoas morreram e mais de 50 ficaram feridas após um caminhão invadir uma feira natalina no centro de Berlim, uma famosa festa local, e sair atropelando várias pessoas. 19/12/2016, na Alemanha;
  • Um caminhão em alta velocidade foi contra uma multidão que participava das comemorações do Dia Nacional de 14 de Julho em Nice, no sul da França. Foram aproximadamente 84 mortos e dezenas de feridos, sendo 18 em estado grave. Depois de atropelar pedestres por uma extensão de 2km, o motorista desceu do veículo e abriu fogo contra a multidão. A polícia trocou tiros com ele, que acabou morto;
  • Explosão de bombas no Aeroporto de Bruxelas e na estação de metrô de Maelbeek deixaram 32 mortos e mais de 320 feridos, em 22/03/2016, na Bélgica.

Isso dentre outros na própria França e Bélgica, Dinamarca, Turquia e Grã-Bretanha, no mesmo ano ou em anos anteriores.

Pray for humanity

O de ontem (17/08/2017) ocorreu em Barcelona, na Espanha. O local da tragédia foi a rua Las Ramblas ou La Rambla, que liga a Praça da Catalunha ao Porto Velho, na parte denominada “Cidade Velha”.

Como é uma “rambla”? Trata-se de duas ruas compridas divididas por um calçadão, que fica ao longo delas abrigando cafés, floriculturas, bancas de jornais, mímicos, músicos, etc. Pode se encontrar também em uma praça com chafariz ou em uma avenida somente para pedestres. É um espaço arborizado para as pessoas passearem, caminhar com seus cachorros, almoçar no mercado, fazer compras em boas lojas de rua, jantar em um restaurante, sentar em um barzinho, ver um monumento tradicional e até assistir a ópera em um teatro de belíssima arquitetura.

Oficialmente, Las Ramblas é uma série de pequenas ruas que se juntam, e tem ao todo 1.2km de comprimento. Se chamam sucessivamente Rambla das Calhas (Rambla de Canaletes), Rambla dos Estudos (Rambla dels Estudis), Rambla de São José (Rambla de Sant Josep), Rambla dos Capuchinhos (Rambla dels Caputxins) e Rambla de Santa Mônica (Rambla de Santa Mònica). Embora sejam mais de uma, é comum elas serem chamadas simplesmente de “Rambla”.

Essas ruas vivem lotadas, de manhã cedo até altas horas da noite. Foi o primeiro ponto turístico que eu visitei quando estava em Barcelona, e já pude ter o “gostinho” do estilo de vida da cidade, bem animado e moderno.

O mais antigo mercado municipal local se encontra lá, chamado “Mercado de São José”, mais popularmente conhecido como La Boqueria. Nele, você pode comprar frutas, carnes, vinhos, artesanato… Os próprios moradores da cidade já enchem o lugar. É uma delícia para tomar um suco refrescante e degustar frutinhas no verão.

Entrada do Mercado.

Não condizente com toda a alegria típica de Las Ramblas, o que reina por lá agora é tristeza. Suspeitos foram presos depois de deixar um número de 14 mortos e mais de 130 feridos por atropelamento. E não parou por aí: esse atentado foi seguido de outro em Tarragona, a uns 200km de Barcelona. Neste, acredita-se por enquanto que não há mortos.

Mesmo assim, não devemos perder as esperanças. Quando eu e Mozão estávamos em Barcelona, ficamos hospedados na casa de um casal português jovem e seus dois cachorros, que nos receberam muito bem (um deles com enormes poças de xixi, não vou dizer qual).

Pela proximidade da casa à zona do ataque terrorista, a Tânia e o Daniel ofereceram abrigo para quem quisesse descansar, comer, tomar um banho e dormir, até que tudo ficasse mais calmo.

Eles me contaram também que muita gente foi solidário e ofereceu ajuda. Os hospitais tinham filas grandes para doação de sangue, os taxistas transportavam pessoas gratuitamente, os hotéis também abriram as portas e cidadãos que moravam nas proximidades desceram com água e comida para quem estava nas ruas.

Apesar dos pesares, fico muito feliz em encontrar boas pessoas pelo caminho, não importa por onde eu ande. Não podemos esquecer que temos que nos revoltar com o mau, mas também temos que fazer o bem quando temos a oportunidade e principalmente quando há necessidade. Por mais pessoas assim no mundo, Deus… <3

 

Isabel Costa

O (eu) implícito do "venho por meio deste".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *