Filmes para refletir e aprender: Racismo

Sempre é uma boa hora para se conscientizar mais, mas aproveitando que estamos passando por um momento importante no mundo ligado ao racismo, resolvi indicar filmes que tratam sobre o tema e a luta por igualdade, e podem agregar um pouquinho para essa conscientização.

Green Book – Um guia para a vida (2018)

Um pianista afro-americano de renome mundial vai embarcar em turnê pelo sul dos Estados Unidos em 1962. Pelo perigo adicional que isso representava, precisaria de um motorista e guarda-costas, e acaba contratando um homem branco ítalo-americano. Os dois acabam enfrentando o racismo juntos e as situações que surgiram devido a segregação racial.

12 Anos de Escravidão (2013)

Doze Anos de Escravidão (2013) - Who's Thanny?

Em 1841, um homem preto livre vivia com sua esposa e filhos, quando, um dia, é sequestrado, vendido como escravo e forçado a viver como tal. O filme mostra como foi a trajetória de 12 anos de escravidão e como todas as dificuldades foram superadas em busca da sobrevivência e com a esperança de voltar para a sua família. E ainda tem show de atuação da Lupita Nyong’o.

Histórias Cruzadas (2011)

Nos anos 60 em Mississipi, Skeeter é uma moça determinada a se tornar escritora, e começa a entrevistas as mulheres pretas da cidade, que deixam suas vidas e famílias para trabalhar na criação dos filhos da elite branca da qual a própria Skeeter faz parte. Inicialmente, nenhuma delas tinha coragem de falar sobre as coisas que tinham que passar nas casas dessas famílias brancas, mas quando Aibileen, empregada doméstica e amiga de Skeeter, dá o primeiro passo, elas conseguem novas adesões. Esse filme é um ícone!!

À Procura da Felicidade (2006)

Chris enfrenta sérios problemas financeiros e sua esposa o abandona. A história conta como ele luta para ser vendedor e conseguir um emprego, enquanto é despejado de casa e precisa cuidar do filho pequeno sozinho. Isso tudo tentando preservar a infância do filho e as próprias esperanças. Esse todo mundo já viu, né? Will Smith se mostrou um ator completo e um dos melhores de todos os tempos!

À Espera de Um Milagre (1999)

Coffey, um homem preto, enorme e humilde, é preso e condenado pelo assassinato de duas irmãs de 9 anos de idade. Apesar do seu tamanho e força, o seu comportamento demonstra sempre muita inocência, medo e sensibilidade. Um carcereiro cria uma relação incomum com ele enquanto está no corredor da morte, e aprende que milagres podem acontecer nos lugares mais inesperados. Prepara o lencinho… Filme inesquecível.

Infiltrado na Klan (2018)

Em 1978, um policial preto do Colorado consegue se infiltrar na Ku Klux Klan local através de telefonemas e cartas, e envia um policial branco em seu lugar quando precisa estar fisicamente com os membros. Durante as investigações, ele consegue se aproximas do líder da seita e sabotar uma série de linchamentos e outros crimes de ódio orquestrados pelo grupo de racistas.

Imperium (2016)

Ainda no tema de KKK, dessa vez um agente do FBI trabalha disfarçado para deter um grupo americano neonazista que acredita na supremacia branca, descobrindo seus planos e tentando impedi-los sem ser descoberto. Sim, é o Daniel Radcliffe (ou como algumas pessoas gostam de expressar “é o Harry Potter!”)…

Corra! (2017)

Um jovem preto namora uma jovem branca e muito gentil, que insiste em apresentá-lo para seus pais numa casa de interior da família. Chegando lá, ele nota uma atmosfera muito esquisita e também que as outras pessoas pretas, empregadas da casa, não demonstram reações. O gênero do filme é thriller/terror (leve), então já podemos perceber que todos escondem algum segredo sombrio…

Estrelas Além do Tempo (2016)

Estrelas Além do Tempo é arrebatador

No auge da corrida espacial entre EUA e Rússia durante a época da Guerra Fria, uma equipe de cientistas da NASA formada exclusivamente por mulheres afro-americanas luta para ter seu trabalho reconhecido e respeitado, e prova ser crucial para a operação e consequente vitória dos Estados Unidos. #Blackpower e #girlpower!

Luta por Justiça (2019)

O advogado Bryan assume o caso em que um homem preto está sendo condenado por assassinato, apesar das evidências que comprovam sua inocência. Enquanto luta pela defesa e vida do seu cliente, ele encontra racismo e manobras legais como seus obstáculos.

O Banqueiro (2020)

Com talento singular para matemática financeira, o certinho Bernard Garrett se une com o irreverente bon-vivant Joe para realizar a ambição de virar empreendedor do mercado de imóveis e, quem sabe um dia, banqueiro. Entretanto, eles não conseguem empréstimos em banco, nem negociar, nem adquirir imóveis fora da comunidade afro-americana local. Para burlar esse sistema racista, eles escolhem um homem branco de sua confiança, que precisa de dinheiro e não sabe nada de negócios, e ele se torna uma peça essencial quando vira o “rosto” dos seus negócios.

Harriet (2019)

Cynthia Erivo luta pela liberdade e pelo Óscar em “Harriet”

Baseado em uma história real do sul dos Estados Unidos em 1849, a escrava Minty consegue escapar da escravidão e muda seu nome para Harriet Tubman. Entretanto, vê que não consegue viver normalmente, então decide voltar para ajudar sua família também e, mais tarde, torna-se uma ativista política e heroína ao transformar a fuga dos escravos em sua missão de vida. Realmente fez história!

O Último Homem Negro em San Francisco (2019)

Dois amigos que moram juntos e se tratam como família andam por São Francisco e sonham em recuperar a propriedade de um casarão bem típico de SF, que havia sido construído pelo avô de Jimmie na década de 1940 em uma área nobre da cidade. O filme mostra a perspectiva de pessoas à margem da sociedade que paga o metro quadrado mais caro do mundo, e mostra também uma psicologia sensível dos amigos. Eu poderia escrever páaaaginas só sobre esse filme e sobre todos os temas que ele aborda, e sobre o fato de que não é todo mundo que pode apreciar um filme “fora da caixinha” como esse – Mas a mensagem principal é a importância da ocupação de um espaço que sempre lhe foi negado, e também a análise das cenas sutis de marginalização, violência e formas de expressão do sofrimento.

Quais vocês já viram?

Lembrando que o objetivo do post é que possamos ter acesso a histórias que dão voz à causa de igualdade e luta contra o racismo, então temos que tirar lições dessas histórias e aplicar ativamente no nosso dia-a-dia.

Ah, ainda vai ter parte 2 hein, porque anotei vários que ainda não tinha assistido e quero voltar aqui com as indicações! Combinado?

Beijo da Bel.

Isabel Costa

O (eu) implícito do "venho por meio deste".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *